quinta-feira, 3 de março de 2011

Para as mulheres!


Falar sobre mulheres sem dúvida não é brincadeira...No dia 8 de março então o dever de ser bom no que for falar aumenta, a responsabilidade aumenta, ainda mais nossa, a dos homens.

Porém, nesse dia 8 de março deveríamos comemorar menos, e refletir mais.
Pensar nas verdades, nas mentiras espalhadas por aí, e nas soluções possíveis.
Todos nós, homens e mulheres, temos vivido sob o domínio da cultura capitalista, que é por si só machista, discriminatória, de segregação, de perseguição.

Não entrarei no mérito de que alguns países capitalistas tem uma cultura mais igualitária, pois eles são a "exceção" e não a regra. Que fique claro isto.

Nossa cultura tem sofrido algumas modificações importantes com o passar do tempo, mas não são mudanças substanciais, são mudanças superficiais.
A exploração continua, e o subjugo da mulher também.

Um das características mais importantes da opressão que sofrem as mulheres é que elas sofrem mais do que os homens por sofrerem uma dupla opressão, não só a econômica, mas também por serem mulheres (de gênero).

A sociedade "culpa" as mulheres por serem mulheres, e as condena à uma infindável lista de punições: prisão doméstica, salário reduzido, cargos selecionados, liberdades sexuais pulverizadas, autoridade menosprezada...

Os avanços em relação à liberdade feminina nos últimos 60 anos são incontestáveis, mas são tímidos e pouco revolucionários.

Necessitamos romper bruscamente com o capitalismo e dar para a mulher a liberdade total (não liberdade promíscua, mas o direito a escolher e não ser punida por sua escolha), e apenas o socialismo pode concretizar os direitos das mulheres.

Como nos ensina Lênin: "Onde há latifundiários, capitalistas e comerciantes, não pode haver igualdade entre o homem e a mulher nem mesmo na lei."

Mesmo com o passar de tantos anos dessa afirmação, sua veracidade só se confirmou.

A igualdade de direitos na lei é uma farsa.

Só as mulheres sabem o tanto que sofrem por serem mulheres...Só elas conhecem o banho de preconceitos que sofrem dia-a-dia. E as religiões (grande parte delas) tem feito muito para a limitação da liberdade feminina.
Ex.: Sexo só depois do casamento, namoro só com pessoas da mesma religião, não contestar a autoridade machista dos ensinamentos da igreja, não contestar o machismo da sociedade.

As próprias mulheres tem sido envenenadas pelo machismo.

Isso deve ser combatido.

Grande parte dos cristãos ao olharem as mulheres do mundo islâmico se horroriza por ver que todas elas são obrigadas a se esconderem sob tantos véus, burcas, etc.

Eis uma grande hipocrisia. Devemos saber que as mulheres árabes, apesar de serem oprimidas e mutiladas pela cultura machista islâmica, são líderes de revoltas. Quando a população daqueles países se revolta, a maioria dos revolucionários são compostos por mulheres, que não tem medo de jogar pedras, incendiar prédios do governo, ir à ruas quantas vezes for necessário.

Só que é preciso saber...Tanto a brasileira, quanto a sueca, a iraquiana, a japonesa são todas exploradas, sofrendo grande desvantagem perante seus maridos e filhos homens....

Como digo no meu ensaio, escrito nos últimos meses, no qual abordo a questão da mulher :

Apesar de tudo "a mulher permanece escrava do lar."..."Ainda falta muito a ser feito."

E ainda no ensaio eu cito Saramago, que certa vez disse: "Ao lado das minhas personagens femininas, as masculinas são insignificantes."

E tenho certeza, que todos os homens ao se aproximarem de mulheres, ficam ofuscados pela grandiosidade delas.

Mulheres são águias...As que enxergam além...que sentem além...

Não digo que só existam mulheres exemplares...Pelo contrário, existem tantas mulheres decepcionantes...Mas fiquemos com as revolucionárias.

Rosa Luxemburgo (1871-1919) foi uma delas, tendo falado em 1912 em uma panfleto :

" A hundred years ago, the Frenchman Charles Fourier, one of the first great prophets of socialist ideals, wrote these memorabel words: In any society, the degree of female emancipation is the natural measure of general emancipation. This is completely tru for our present society."

Eis uma verdade tremenda. Como ela citou Fourier no trecho acima, a verdadeira emancipação da mulher é hoje a emancipação da sociedade em geral.

Sem dúvida.

Como também disse Lênin há exatamene 90 anos : "É impossível incorporar as massas à política sem incorporar as mulheres. No capitalismo, a metade feminina do gênero humano está duplamente oprimida." E explica adiante que o primeiro motivo é por serem oprimidas pelo capital, por não terem plenos direitos e em segundo, por serem "escravas do lar", por estarem presas aos trabalhos mais mesquinhos e esgotantes.

Enfim, após ter falado tudo isso, quero parabenizar todas as mulheres por serem mulheres...Vocês são todas heroínas, merecem toda a felicidade possível, e nunca desistam de lutar por um mundo melhor, por um mundo justo.

E aproveito este post para agradecer e parabenizar a Naara, uma mulher que tem enchido meus dias com mais alegria e amor.



Viva a mulher!


Lucas Almeida


5 comentários:

.estel C. tuk. disse...

Wow, que texto simplesmente foda!

Convivo com mulheres completamente machistas que abraçaram sua opressão e tentam impô-la (advinha a quem). Por outro lado, a felicidade para elas se encontra em preencherem o vazio deixado consumindo e consumindo =/
não é exagero colocar a culpa da desiguladade no capitalismo. mas eu a dividiria com o evolucionismo e com o positivismo. e numa sociedade com a mentalidade uns séculos atrasada como a brasileira não me espanta o quão longe estejamos de ser também uma exceção à regra dentre os países capitalistas.
e... nossa, esqueci o que ia escrever D:

Aliás, me apresente esta guria especial pra ti ^~

;**

.Luks disse...

Disse tudo!

É tão triste ver mulheres que lutam contra elas mesmas e contra todo o progresso da humanidade.

E com certeza a situação do Brasil é bem peculiar.

Obrigadão pelo comment.

Pode deixar que apresentarei! :D

Kissus! ;*

Obs.: e vê se atualiza seu blog! xP

Paulo Narciso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Narciso disse...

Há alguns meses a trás,cursei uma disciplina titulada de "História da Educação" e que discutia sobre o papel da mulher em nossa sociedade. Analisamos o antes e o depois da mulher e UMA das muitas curiosidades do papel da mulher na sociedade é que ela é MACHISTA e que é preciso LIBERTAÇÃO, não há espaço para ISSO É COISA DE MULHER e ISTO É COISA DE HOMEM. Não vale mais acreditar que a educação (caseira e séries iniciais) seja responsabilidade apenas da mulher. A mulher precisa entender que o folgão é dela e de todos que estiverem em casa. Entender que o seu corpo em primeiro lugar deve ser gozado, apreciado, primeiramente por ela e os terceiros não podem comandar (usar... e depois...!?),que uma propaganda de cerveja pode sim ser representada por diversas coisas, não apenas pela mulher. Há!!! disculpa errei PELO SEU CORPO! Depois do desabafo??? Não! Defesa! Preciso parabenizá-lo pelo poster, muito feliz o seu texto.
Muito grato,
Paulo Narciso

.Luks disse...

Obrigadão Paulo Narciso! Eu que me sinto muito gratificado!

Disseste tudo!